Folha de pagamento: Como financiar?

Caixa vai aderir a linha de crédito emergencial anunciada pelo Governo. Com ela, micro e pequenas empresas poderão financiar a folha salarial nesse momento de crise.
Folha-de-pagamento-Como-financiar
Na última semana, o Governo anunciou que as Micro e Pequenas Empresas (MPE) vão poder financiar a folha de pagamento de seus funcionários. A medida visa amenizar a crise econômica provocada pelo Coronavírus.

A Caixa divulgou que que irá a aderir a nova linha de crédito, permitindo que Micro e Pequenas empresas coloquem a folha de pagamento em dia. Poderão aderir à modalidade as empresas com faturamento anual entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões.

Folha de pagamento

Segundo as regras anunciadas pelo Banco Central, o financiamento da folha de pagamento das empresas será limitado a dois salários mínimos (até R$ 2.090,00) por empregado, permanecendo o restante, se houver, a cargo da empresa.

Os recursos serão depositados diretamente na conta dos trabalhadores. A empresa que tomar o financiamento não poderá demitir, por dois meses, os empregados com salários financiados.

Como financiar

Para solicitar a linha basta acessar o site da Caixa e realizar o pré-cadastro. O financiamento da folha de pagamento poderá ser pago em 36 meses (carência de 6 meses e 30 parcelas), e taxa de juros de 3,75% a.a.

Para contratar, basta a Micro e Pequena Empresa ter condições de crédito em dia e folha de pagamento com a CAIXA. Novos clientes que trouxerem a folha de pagamento para a Instituição também poderão utilizar a linha de crédito.

Outra medida anunciada para as Micro e Pequenas Empresas é a possibilidade de pausa por até 90 dias ao cliente PJ que tiver o Giro CAIXA Fácil e Crédito Especial Empresa. A solicitação pode ser realizada por meio do portal da CAIXA.

Linha de crédito emergencial

A linha de crédito emergencial permite financiar a folha de pagamento de pequenas empresas pelo período de dois meses, limitado até 2 salários mínimos.

A Medida Provisória deve ser publicada nos próximos dias. A previsão é que sejam beneficiadas pela medida 1,4 milhão de pequenas e médias empresas do país, num total de 2,2 milhões de pessoas.
< Voltar página inicial